quarta-feira, setembro 06, 2006

(palavras emprestadas)






'O esqueleto aquecido. Vem vindo o sol. Atraco-me comigo, disparo uma luta. Eu e meus alguéns, esses dos quais dizem que nada têm a ver com a realidade. E é somente isto que tenho: eu e mais eu. Entendo nada. Meus nadas, meus vômitos, existir e nada compreender. Ter existido e ter suspeitado de uma iridescência, um sol além de todos os eus. Além de todos os tu.' (Página 48, Com meus olhos de cão, de Hilda Hilst).'



"Eu dizia "apareça" Quando apareceu, não esperava Um dia me beijou e disse "não me esqueça" Foi embora E só esqueci metade Que bom que eu não tinha um revólver Quem ama mata mais com bala que com flecha Ela deixou furo E a porta que abriu Jamais se fecha"

"O dia em que fui mais feliz Eu vi um avião..."

Um comentário:

Rebecca Loise disse...

Grande Hilda!